Gravidez

Alguns anti-inflamatórios proibidos a partir do sexto mês de gravidez


Em um comunicado divulgado em 26 de janeiro de 2017, a Agência Nacional de Segurança de Medicamentos lembra o perigo de medicamentos anti-inflamatórios não esteróides (AINEs) a partir do sexto mês de gravidez.

  • Em uma declaração de 26 de janeiro de 2017, a Agência Nacional de Segurança de Medicamentos (ANSM) lembrou que anti-inflamatórios não esteróides (AINEs), como ibuprofeno ou aspirina, são contra-indicados a partir do sexto mês de gravidezou além de 24 semanas de amenorréia.
  • Prescritos para aliviar um grande número de condições (atendimento odontológico, angina, dor lombar, otite, enxaqueca, dor ginecológica ...) ou para reduzir a febre, os AINEs podem ter sérias conseqüências, até fatais, para o feto ou para o feto. o recém-nascido.
  • Desde a primeira dose, é provável que esses medicamentos causem o fechamento do ducto arterial, permitindo trocas sanguíneas entre o feto e a futura mãe. Os órgãos do futuro bebê são privados de oxigênio, o que pode levar à morte no útero. Tomar repetidamente a dose pode afetar o funcionamento dos rins do feto, causando insuficiência renal. Esses riscos não são novos e estão listados nos folhetos das drogas.

  • Esta contra-indicação diz respeito a todos os AINEs, incluindo aspirina, sob prescrição médica ou não, e independentemente da via de administração, oral, injetável ou cutânea (a passagem no sangue de AINEs é ainda mais importante do que a aplicação é realizada em uma grande superfície cutânea, em curativo oclusivo, por exemplo).
  • A ANSM lembra que a automedicação deve ser evitada durante a gravidez e que você deve sempre procurar o conselho do seu médico ou farmacêutico antes de consumir esse tipo de medicação. Existem soluções alternativas para curar-se grávida. Ele também lembra que qualquer tratamento medicamentoso deve ser reavaliado durante a gravidez.

Mais informações no site da ANSM